As principais notícias do mercado PET e VETERINÁRIO ao seu alcance

Estado quer restringir venda de animais em pet shops

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso grupo do Whatsapp

venda de animais em pet shops

Mais um estado brasileiro decidiu seguir o exemplo de São Paulo ao tentar restringir a venda de animais em pet shops.

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) deve colocar em breve o Projeto de Lei 2.169/15 para votação em plenário. De autoria do deputado Noraldino Júnior (PSC), o texto recebeu aval da Comissão de Desenvolvimento Econômico na última quarta-feira, dia 8, após parecer favorável do relator Oscar Teixeira (PP).

De acordo com a proposta, criadouros especializados passariam a ter exclusividade na comercialização de cães e gatos de raça. A redação também prevê o desenvolvimento do Cadastro Estadual de Criação e Comércio de Cães e Gatos de Raça (Cecar-MG).

Os estabelecimentos autorizados serão responsáveis por registrar os animaizinhos e fornecer informações como data de nascimento, vacinação, castração e microchipagem, no prazo de 30 dias a partir da data da chegada do animal ao criadouro.

O relator justifica a necessidade do projeto alegando a “existência de pet shops que operam como fábricas de filhotes, negligenciando a qualidade de vida de animais adultos”. O parlamentar complementa ao dizer que “a venda desses animais impacta negativamente as chances de adoção, pois muitos acabam sendo relegados a canis e centros de controle de zoonoses”.

São Paulo teve de recuar na restrição à venda de animais em pet shops

Em outubro passado, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) vetou o projeto de lei que impediria a venda de animais em pet shops.

O PL instituía a proibição da revenda de cães, gatos e pássaros domésticos em qualquer estabelecimento comercial que não fosse qualificado como criadouro. Pet shops, sites que fazem vendas pela internet e lojas similares ficaram de fora.

Segundo o veto do governador, a proposta contraria a liberdade constitucional de inciativa econômica e bloqueia o “exercício responsável de atividades comerciais”.

Mais lidas

OUTRAS NOTÍCIAS